Pular para o conteúdo principal

Minha jornada na gestão de pessoas.

Gostaria de descrever cada uma das fases que eu vivi enquanto empreendedora, porque sei que muitos dos meus leitores podem se identificar com cada uma delas. 
 
Na primeira fase da minha jornada eu era uma tabeliã sem nenhuma experiência profissional no campo da gestão. Tudo o que eu conhecia sobre o tema eram os reclames da minha irmã, que dizia que "não podemos confiar em empregados" e os reclames do meu pai, que dizia "para que você vai se meter em negócio de cartório, arcar com contratações e depois ainda ter que responder processos trabalhistas?" Essa era a visão que eu tinha e por conta disso sempre pautei o meu procedimento na legalidade. Nessa primeira fase o pouco conhecimento que eu tinha foi determinante para que eu buscasse oferecer de forma correta todos os direitos dos meus colaboradores. Isso era tudo o que eu podia oferecer.

Como vocês podem notar, gestão não é o forte da minha família, que sempre preferiu a tranquilidade do serviço público. Apesar disso, o exercício da profissão exige de nós um pouco mais do que o mero conhecimento das matérias de RH. Você que é titular de um cartório com arrecadação pequena ou dono de um escritório iniciante, sabe que uma gestão mal feita pode reduzir drasticamente o seu faturamento e levar você bem rápido para a "falência".
 
Na minha segunda fase eu cometi os erros que fui ensinada a vida toda. O medo do desconhecido me fez confiar muito em indicações e pouco em processos objetivos de seleção. Na verdade eu nunca imaginei que um processo seletivo com pessoas "do mercado" poderia ser eficaz. Como colocar pessoas que nunca vi dentro do meu estabelecimento, manuseando  os "meus livros" e atendendo aos "meus clientes"? Para mim a ideia de ter uma pessoa totalmente alheia à minha relação trabalhando para mim chegava até a assustar.

Geovana Dourado enquanto oficial do Paço na antiga Sede do Pelourinho (2018)
Nessa fase a maioria dos meus colaboradores eram amigos e conhecidos. Foi sim uma fase muito boa. Ter amigos e pessoas que você confia ao seu lado te da muita força para continuar. São essas pessoas que vão ficar até mais tarde comprometidas com o seu resultado. Elas que vão se preocupar com as suas noites perdidas de sono. Mas só elas? Por muito tempo deixei de conhecer pessoas maravilhosas por medo.
 
Acontece que os seus amigos também tem planos, e muitas vezes não são os mesmos planos que você tem. A despedida foi difícil, mas necessária. Foi nesse momento que eu precisei me reinventar. Lembro-me muito que eu estava completamente perdida sobre o que fazer com a minha equipe. Ela estava em total descompasso, sem rumo, sem orientação. A gente ia trabalhar todo dia e não havia nenhum sentimento de realização em mim. Eu me sentia uma mera realizadora de tarefas.

Foi ai que busquei uma profissional para me ajudar. Falei todas as minhas questões como gestora, que eu sabia muito bem o que eu precisava fazer, mas que eu simplesmente não tinha forças. Eu estava me movendo numa onda que me impedia de fazer o que era realmente importante. Eu estava assoberbada de tarefas que nunca me levariam a lugar nenhum.

Foi ai que naturalmente eu iniciei a minha busca por novos conhecimentos. Com o apoio do meu substituto e da minha contadora, desliguei-me dos aspectos formais das contratações e comecei a estudar de forma aprofundada todos os aspectos do desenvolvimento dos colaboradores dentro de uma corporação. Decidi finalmente fazer um investimento (alto) em um curso para líderes em uma instituição renomada no país. A sede pelo conhecimento nunca foi tão latente.

Descobri então que a minha maior paixão dentro do cartório não era lavrar os atos. Nessa fase eu já era oficial de registro das pessoas naturais do Paço em Salvador. Descobri que eu precisava aprimorar a minha liderança e assumir o meu papel de gestora. Foram meses intensos que geraram tantos frutos! Sei que cada gestor tem a sua história e espero que você já tenha passado por essa descoberta. Mas se ainda não se viu num papel estratégico, acredite que isso é o melhor que você pode oferecer para a sua serventia/escritório. Não há crescimento se você não tem uma direção, e eu descobri que a direção era o melhor que eu poderia dar para a minha serventia para que ela crescesse.
 
(continua...)
 

Comentários

  1. Olá Geovana.

    Seu perfil é fantástico.

    Se quiser postar seus artigos e comentários no IGDE com links para seu blog fique totalmente à vontade.

    Pode até criar um perfil público lá se desejar.

    Tudo gratuito.

    Marlon - Oficial CRI Cabreúva SP

    www.IGDE.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Convite para mais de um mês de aulas com temas sobre o extrajudicial baiano!

 Olá, tudo bem? Estou feliz em poder compartilhar com vocês uma novidade interessante! Estamos lançando juntamente com alguns colegas um evento especial onde iremos fazer uma grande revisão sobre aspectos importantes do Código de Normas Extrajudiciais da Bahia. Queremos convidar vocês para participar desse evento é gratuito e online! Para participar basta acessar os links abaixo no dia e hora agendados. Para não perder nenhuma aula, siga o canal e ative as notificações. Quando entrarmos ao vivo você receberá uma mensagem no seu celular! AGENDA DE LIVES 03.06 Registro de Nascimento, Casamento e Óbito Valéria Tanús Lopes https://youtu.be/UJWY9P1Vuak 10.06 Certidão de inteiro teor e LGPD - Geovana Dourado https://youtu.be/NOWu1PXg_c8 17.06 Registro Tardio - Emília Belmonte https://youtu.be/STtouCRxge0 24.06 Retificações, restaurações e suprimentos - Geovana Dourado https://youtu.be/Sd13zY1lajY 01.07 Averbações - Alteração de Patronímico - Ana Carolina de Abreu https://youtu.be/nPjDKy0Veig

Super Case: Retificação Extrajudicial de Regime de Bens pelo Art. 110 da Lei de Registros Públicos.

Introdução Atendi por videoconferência um cliente que recebeu a sua certidão de casamento com informação omissa. No campo do regime de bens constou a expressão “COMUNHÃO DE BENS”.   Alegava que ao invés da expressão, deveria constar o regime da “COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS”. Pleiteava ser um erro material, tendo em vista que a omissão, sem dúvidas, corresponderia ao regime da Comunhão Universal. Não só isso: possuía segunda via do Pacto Antenupcial lavrado em notas à época do casamento. Nele constava a informação de que o regime escolhido pelos nubentes era o da "COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS". Não possuía certidão de inteiro teor da habilitação de casamento porque esta não foi localizada nos arquivos do cartório celebrante (o meu). Alegou, por fim, a existência de uma ressalva na certidão que causou estranheza. No campo das observações/averbações constava: “Ressalva para o regime de bens que deve ser lido como “COMUNHÃO DE BENS” conforme escritura pública lavrada nas notas do

Posso emitir uma certidão depois que o registro é cancelado por decisão judicial?

    É possível emissão de certidão de nascimento de registros cancelados? Advogados e clientes se surpreendem quando recebem a informação de que um determinado termo ou assento não consta nos registros do cartório. Assim também os próprios oficiais se perguntam: posso emitir uma segunda via quando o registro de nascimento ou casamento está cancelado? E se o registro for de óbito? O que deve ser feito? É preciso autorização judicial para a emissão da certidão? Para isso, cabe inicialmente definir o contexto do cancelamento. Segundo Vitor Kümpel,   o cancelamento do registro é a averbação feita pelo registrador ou preposto autorizado consignando a perda dos seus efeitos legais perante terceiros, consiste em elidir o registro, retirar todos os efeitos e extinguir o direito nele referido. Efetiva-se por averbação extintiva de um direito, feita à margem do assento a ser cancelado. [1] Já Alberto Gentil assevera que   Em regra, exige-se, para averbação de Cancelamento, que haja p